0318.HAA.CasaCancha-PKOK0336.jpg

Casa Cancha

​Ano: 2019

Local: Gonçalves - Minas Gerais

Autor: Homã Alvico

Complementares: Engenharia; Fabio Farinelli | Estrutura MLC: Rewood

Fotos: Pedro Kok / Homã Alvico

0318.HAA.CasaCancha-PKOK9696P.jpg

É pau, é pedra,

é o fim do caminho.

 

É peroba no campo, é o nó da madeira

É o vento ventando, é o fim da ladeira

É a viga, é o vão, festa da cumeeira

É a chuva chovendo, é conversa ribeira

É a luz da manhã, é o tijolo chegando

É o projeto da casa, é o corpo na cama

É o carro enguiçado, é a lama, é a lama

É um belo horizonte, é uma febre terçã

São as águas de março fechando o verão

                        Águas de março  -  Tom Jobim.

É o fim do caminho

Após algumas conversas com os clientes marcamos de visitar o terreno. No caminho, saindo do trecho pavimentado pegamos uma estradinha de terra bem íngreme, seguimos com os clientes até o final desta estradinha, onde encontramos uma clareira com um formato de concha, era lá o platô onde iriamos realizar o projeto.

Com elevação de 1470m acima do nível do mar, o terreno está cerca de 600m mais alto que a estrada pavimentada. Pode parecer apenas uma curiosidade à primeira vista, mas foi um dado crucial para determinar a lógica dos processos de obra.

Apesar de ter estudado as necessidades e desejos que os clientes tinham para essa casa, não tinha nenhuma ideação do que poderia ser o projeto. Eu sempre me forço a não ter ideias ou especulações de projeto antes de visitar o terreno, tento abordar a visita ao terreno como recém-saído de uma nave pousada em outro planeta, buscando o vislumbre da primeira vista, e a busca de descobertas desse lugar que eu nunca vi.

É pedra

Já no terreno, com essa peculiar forma de arquibancada de estádio de futebol, entre o capim alto avistei dois topos de pedras que me chamaram a atenção, para onde quer que eu olhasse voltava imediatamente a atenção para essas pedras, apesar de estarem excêntricas tinham um certo magnetismo, adentrando o mato na altura do pescoço, chegando mais próximo, fiquei surpreso por encontrar um par de pedras com exatamente a mesma altura de topo e distando cerca de 5m entre elas, de cima da pedra mesmo fiz os primeiros croquis de estratégia de projeto.

IMG_20180415_121450692_HDR.jpg
0318.HAA.CasaCancha-PKOK9768.jpg

É pau

De cima de uma das pedras a estratégia de projeto veio de forma clara e simples, como se já existisse no local essa demanda, algo simples como apoiar uma viga de MLC em cada pedra, fazendo dois pórticos, utilizando desta forma as pedras como pilares, de modo que o nível de referência do projeto eram os topos das pedras, que definiriam a altura da laje térrea. Na visita mesmo foi apresentado aos clientes a ideia meio maluca, que em primeiro momento eles não captaram totalmente, por falta de representações gráficas à altura, mas toparam o partido, imagino que pela empolgação do arquiteto.

Já no terreno, com essa peculiar forma de arquibancada de estádio de futebol, entre o capim alto avistei dois topos de pedras que me chamaram a atenção, para onde quer que eu olhasse voltava imediatamente a atenção para essas pedras, apesar de estarem excêntricas tinham um certo magnetismo, adentrando o mato na altura do pescoço, chegando mais próximo, fiquei surpreso por encontrar um par de pedras com exatamente a mesma altura de topo e distando cerca de 5m entre elas, de cima da pedra mesmo fiz os primeiros croquis de estratégia de projeto.

É o projeto da casa

O corpo principal da casa é composto de dois blocos contíguos, um totalmente transparente destinado às relações sociais e coletivas, e outro privativo destinado às ações mais individuais e introspectivas, sendo este bloco totalmente revestido de madeira ebanizada, inclusive nas aberturas. Os blocos possuem exatamente as mesmas medidas.

Há também o anexo em container destinado à dormitório de visitas, banheiro externo e serviços.

É a viga, é o vão

As vigas principais da casa em MLC (madeira laminada colada) possuem 14m de extensão, com um vão visível total que se abre frontalmente para a vista panorâmica da pedra do baú, a partir de um arranjo estrutural e de caixilhos que aparenta flutuar sem apoios e abrir-se totalmente para o entorno.

De um lado as vigas apoiam-se nas pedras e de outro no bloco fechado em steel frame.

0318.HAA.CasaCancha-PKOK9939.jpg
0318.HAA.CasaCancha-PKOK0392.jpg

São as águas de março fechando o verão

Durante a obra, subindo a íngreme estradinha de terra enquanto chovia, estava desejando mentalmente que a chuva desse uma trégua de alguns dias para que fosse possível receber alguns materiais transportados por caminhão, que não conseguiriam subir a estrada nestas condições, e como chovia há semanas a fio algumas entregas estavam atrasadas. Como dependia da previsão do tempo para marcar as entregas comecei a notar que no mês corrente quase não tivemos tempo firme por mais de 2 dias, estava começando a achar atípico, quando começo a prestar atenção na música a fundo tocando no rádio do carro, Águas de março do Tom Jobim, comecei a rir sozinho, por que até agora não tinha aprendido nada com a música que ouvia desde a infância, em março no Sudeste do Brasil chove, e chove muito, e Tom sabia disso.