Contato
contato@ha.arq.br
(11) 3257.5816
R. Tutóia, 324 - Conj. 8. Paraíso.
São Paulo - SP - Brasil
CEP: 04007-000
Quer saber mais sobre o nosso trabalho? Nos contacte, será um prazer recebe-la(o) para um café!

Praça Benedito Calixto

​Ano: 2019

Local: Praça Benedito Calixto - Pinheiros, São Paulo - SP

Cliente: Concurso  Público 

Autores: Homã Alvico, Olivia Uliano

Renders: Homã Alvico

Textos: Olivia Uliano

Premiação 2° lugar -  Concurso de requalificação Praça Bendito Calixto

A Praça Benedito Calixto é um lugar curiosamente complexo, na cidade de São Paulo. Possui diversas funções como espaço público - aos Sábados, recebe milhares de visitantes em sua famosa feira cultural e artística, e durante os outros dias da semana, recebe moradores do entorno e transeuntes que usufruem do local, seja para fazer exercícios, descansar, levar seu animal de estimação para passear, ou mesmo para crianças brincarem no parquinho, ou praticarem esportes na quadra. Foram feitas diversas visitas ao local, em diferentes dias e horários, para realmente entender sua dinâmica - e foi possível se encantar ainda mais por este lugar cheio de potencial, que se torna um respiro para a rotina incessante desta grande cidade. A praça é um organismo vivo em constante transformação, que vibra, acolhe, permite o encontro, e possibilita momentos memoráveis para as pessoas que a frequentam.

 

                Ao se compreender a importância desta praça para a cidade e sua dinâmica, se tomou como partido para o projeto de revitalização uma palavra: acolhimento. Pessoas são convidadas a adentrar a praça através de coloridos e sinuosos percursos, onde ao longo do caminho, poderão encontrar diferentes espaços de lazer para usufruir. O acolhimento de outros seres vivos que coexistem na cidade, como pássaros, animais silvestres e insetos polinizadores, também foi considerado, através da minuciosa escolha de uma vegetação que atraísse a fauna urbana.


              

  Uma das premissas para o projeto paisagístico foi possibilitar uma maior aproximação entre as pessoas e a natureza, e trazer de volta para a cidade a vegetação de nosso bioma. As árvores existentes no local seriam mantidas, e para a nova composição foram priorizadas espécies vegetais e arbóreas de mata atlântica, fazendo com que a praça cumpra não somente uma função social, mas também ambiental, com a reapropriação deste precioso bioma que foi sendo suprimido ao longo do tempo.

 

                As áreas verdes em geral possuem uma importância vital para o equilíbrio nas cidades. Cada parque, praça, ou árvore devem ser valorizadas no ambiente urbano, uma vez que não oferecem somente beleza, refúgio ou um local agradável, mas são também elementos essenciais para a saúde física, mental e emocional das pessoas. Garantir o bem-estar e uma melhor qualidade de vida para os cidadãos foi um foco para este projeto, e traria benefícios para a cidade como um todo - trazendo ainda mais vida para este espaço público tão vibrante.

Acesso/ Setorização

A idéia de se fazer um percurso que levasse os pedestres para “dentro” da praça, surgiu da necessidade de acolher as pessoas – dar as boas-vindas, mesmo sem utilizar palavras, mas permitir que os sinuosos desenhos do piso e as cores falassem por si só.

                Pensando nas diferentes necessidades psicológicas dos Seres Humanos, levou-se em consideração uma setorização da praça. Ela foi dividida por “temperaturas” que foram expressas através das cores escolhidas para o piso. As áreas de tonalidades mais claras, e cores frias, são um convite à introspecção e contemplação, e  áreas delimitadas por cores mais quentes, possibilitam a interação, o movimento e a expressão.

                Foi criado um eixo longitudinal, que levasse as pessoas de uma ponta à outra pela praça. Para tanto, foi proposta a mudança da banca existente (próxima à Rua Teodoro Sampaio), para o canto da praça, para que se reforçasse este eixo visual e de passagem, que convida as pessoas a usufruir dela.

Vegetação existente

Todos os corpos abóreos existentes foram mantidos, sem exceção. O novo desenho dos canteiros de vegetação, assim como os decks relacionam-se com o perímetro existente de canteiros, e árvores.

 

Fechamento de rua (aos sábados)

Com o intuito de potencializar a feira, ampliar o número de barracas e tornar a visitação mais prazerosa aos frequentadores, é proposto o fechamento de uma das ruas do perímetro da praça. Desta forma, conseguimos reorganizar o layout de ocupação das barracas, e ainda tornar possível outras vivências de forma simultânea.

A rua em questão receberá uma pintura com uma paleta de cores que busca a conexão direta com a praça, ampliando a mesma nos dias de feira.

Decks

O conceito de reconexão das pessoas com a natureza é fortemente expresso através do deck que permeia o novo bosque criado, composto por vegetação nativa e de mata atlântica. Funciona como um portal, que permite a apreciação do meio ambiente em sua essência, e que naturalmente desaceleraria o ritmo das pessoas que optassem por este percurso - se atentando aos magníficos detalhes que a natureza oferece em suas vibrantes formas de vida, texturas, cores, e animais que abriga em suas proximidades.

Em alguns pontos foram colocadas redes compostas por cordas, para permitir um novo tipo de interação e vivência dos espaços, onde as pessoas poderiam se sentar, se deitar, dando a elas uma outra perspectiva - possibilitando a vista do céu e da copa das árvores como ponto focal. Seria dada a opção de encaixe, para que fossem removíveis, caso se deseje retirá-las no período noturno. Foi verificado com a diretoria da Associação dos Amigos da Praça Benedito Calixto, a possibilidade de se guardar as redes e demais itens na sede, caso fosse desejado.

 O desenho do percurso do deck também se inspira no formato de árvores e galhos, e seria composto por madeira e perfis metálicos. Em Alguns pontos, foram criadas áreas circulares que permitiriam a realização de outras atividades nesta nova atmosfera concebida. Próximo à quadra, uma área destinada à icônica apresentação de chorinho que ocorre durante a feira aos Sábados. É importante ressaltar que a quadra continuaria sendo destinada à feira de alimentação que também ocorre neste dia, então a grade da quadra foi projetada de modo que uma abertura fosse possibilitada (através de um grande portão de correr). Deste modo, a apresentação musical continuaria sendo feita no local, mas sem atrapalhar o fluxo de pessoas ou o acesso às barracas da proximidade (que ficam bloqueadas com o grande número de pessoas que param na frente para assistir), conforme foi constatado durante visitas ao local. A outra área circular, que fica no meio da maior área de bosque, seria destinada à atividades calmas e contemplativas, como por exemplo a Yoga ou Tai Chi Chuan, que já acontecem durante a semana, organizada por frequentadores do local. 

Coretos

Analisando a atmosfera artística e cultural que já existe na praça, foi proposto também uma releitura contemporânea de coreto, que recebesse os artistas e eventos culturais que frequentemente acontecem no local. Seria uma proteção contra intempéries, e também um marco visual -  praticamente um convite à expressão. Proporcionando ainda mais vitalidade ao espaço e melhorando a dinâmica de frequência em horarios menos utilizados, colaborando desta forma com a segurança e a sensação de segurança.

 

Quadra

A quadra é uma área extremamente dinâmica da praça. Durante a semana acolhe crianças e jovens que lá vão para praticar esportes e brincadeiras, e aos sábados recebe a feira de alimentação e o já tradicional “chorinho”. Ao se analisar estas atividades, decidiu-se ampliá-la e pintar seu piso, para possibilitar uma maior facilidade para a prática de esportes – e complementando a composição com paleta de cores escolhida para o projeto.

Foi criada também uma arquibancada para eventuais espectadores, ou como apoio para os educadores e jogadores que frequentam o local. Além disso, buscamos maior ordenação na circulação de consumidores e/ou espectadores nos dias de feira reorganizando o layout das barracas e formalizando o espaço do coreto para receber as apresentações musicais.

Barracas

A feira de artesanato, cultura e arte que acontece aos Sábados na praça Benedito Calixto atualmente comporta 320 barracas, que estão com um aspecto extremamente caótico e desgastado.

Foi criado um novo modelo de barraca, que fosse retrátil, para facilitar a montagem e desmontagem nos dias de feira, além de evitar perdas de peças e reduzir a necessidade de manutenção. O desenho é composto por lonas em novas colorações. A estrutura é de perfis tubulares metálicos, composta por linhas simples e peças rotativas na cobertura, que permitiria o movimento retrátil. Na fixação do chão, seriam utilizadas peças móveis de concreto com um orifício para encaixe da estrutura vertical de sustentação, dando estabilidade às barracas.

Com o fechamento - nos dias de feira - de uma das ruas de perímetro da praça possibilitou-se a reorganização do layout das barracas, compatibilizando com outras atividades que possam acontecer na praça nos dias de feira e potencializando a feira em si, com a expansão do número de barracas para 390 unidades

Devido à restrição orçamentária existente, sugere-se que esta etapa seja realizada posteriormente, em uma nova fase do projeto, e com o apoio de novos patrocinadores.

Paisagismo

 

O principal partido para o presente projeto é permitir uma reaproximação das pessoas com a natureza, e trazer de volta para a cidade de São Paulo, a vegetação nativa e também de seu bioma predominante – Mata Atlântica – que foi sendo suprimido ao longo do tempo.

Uma vez que a urbanização desenfreada e a predominância da utilização de espécies exóticas na vegetação urbana, foram os grandes responsáveis por tal supressão, resgatar a biodiversidade nativa se torna algo não apenas essencial, mas imperativo.

Para a nova composição paisagística foram selecionadas espécies predominantemente nativas – e de preferência, típicas do nosso bioma -  algumas delas endêmicas da região – como o Geonoma elegans (Geonoma) ou a Maranta divaricata (Maranta). Outras foram selecionadas em função da textura de suas folhas – auxiliando na limpeza de poluentes do ar e redução de ruídos, como a Alchornea sidaefolia (Tapiá) e a Luehea grandiflora (Açoita-Cavalo). Algumas se encontram ameaçadas de extinção como o Euterpe edulis (Palmito Jussara), e o Campomanesia phaea (Cambuci – árvore nativa símbolo da cidade de São Paulo).

Reforçando a busca pelo reequilíbrio ecológico urbano, outra grande preocupação foi também com o resgate da biodiversidade animal. Foram selecionadas espécies vegetais e arbóreas que atraíssem a fauna, contruibuindo assim para o equilíbrio de outros seres vivos que também habitam as cidades , como por exemplo diferentes espécies de pássaros, animais silvestres, borboletas e insetos polinizadores.

Pensando também na drenagem urbana, foram propostas espécies vegetais para compor os “jardins de chuva” - que auxiliam na captação, filtragem e infiltração das água pluviais, através de plantas nativas, resilientes, e que suportam o encharcamento temporário do solo.

Por fim, Cada espécie selecionada cumpre uma importante função ambiental, e poderá garantir um ambiente muito mais harmônico para a cidade.